As Revoluções Utópicas

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Petrópolis: Editora Vozes, 1979. Este livro corresponde à reedição de dois ensaios publicados em Tecnoburocracia e Contestação (Vozes, 1972), "A Revolução Estudantil" e "A Revolução Política na Igreja". .

Revoluções utópicas, na concepção de Luiz Carlos Bresser Pereira, não são revoluções impossíveis, mas revoluções generosas, que buscam criar uma sociedade mais justa, mais igual. A revolução política por que passou a Igreja Católica após o Concílio Vaticano II, descomprometendo-se crescentemente com a ordem estabelecida e adotando uma perspectiva indignada em relação à injustiça social, tem esse caráter ao mesmo tempo utópico e realista. A revolução estudantil, que marcou o mundo nos anos sessenta, e que, embora reprimida, está longe de ter-se esgotado, tem o mesmo sentido. O Autor procura examinar os dois problemas de acordo com um método histórico-estrutural, a partir dos fatos históricos novos que deram origem e significado a estas duas revoluções do nosso tempo.(contra capa)

Sumário

PREFÁCIO

PARTE 1
A REVOLUÇÃO POLÍTICA NA IGREJA
I. Os Sintomas da Revolução
II. A Igreja no Poder
III. A Reconciliação com o Mundo Moderno
IV. A Revolução de João XXIII
V. Condições da Revolução
VI. As Causas da Revolução
VII. Conclusão

PARTE II
A REVOLUÇÃO ESTUDANTIL
I. A Revolução do Nosso Tempo
II. Os Ex-Revolucionários e os Novos Revolucionários
III. As Causas Superficiais
IV. As Condições da Revolta Estudantil
V. As Causas Históricas
VI. A Ideologia Revolucionária
VII. Revolta ou Revolução
VIII. Conclusão e Resumo

BIBLIOGRAFIA

ÍNDICE DE NOMES

 


Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com