Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós-1994

Luiz Carlos Bresser-Pereira

São Paulo: Editora 34, 2007.

O autor traça uma poderosa crítica do pensamento hegemônico que se expressa, em escala global no campo da economia, pelas políticas ortodoxas convencionais. Tendo se posicionado contra o consenso de Washington já no início da década de 1990, neste livro ele aponta enfaticamente para a necessidade de retomada do crescimento econômico brasileiro, rompendo com o conjunto de diagnósticos, recomendações e pressões que os países ricos fazem aos países em desenvolvimento. Por meio de uma análise político-econômica acurada - que aborda, entre outros aspectos, projetos de reforma do Estado, coalizações políticas, taxa de juros, equilíbrio fiscal, combate à desigualdade, metas de inflação, crescimento industrial, taxas de poupança e de investimento, política cambiial - o autor identifica o círculo vicioso que emperra a economia brasileira e indica os caminhos para a sua superação através de um modelo econômico original que ele denomina de novo desenvolvimentismo. São Paulo: Editora 34, 2007, 328 p. Prefácio Introdução   1. Quase-estagnação   2. Nação e desigualdade   3. Reformas e instituições   4. Câmbio e poupança externa   5. Substituição de poupanças   6. Desequilíbrio fiscal   7. Taxa de juros   8. Metas de inflação   9. Modelo macroeconômico 10. Coalizões políticas 11. Novo desenvolvimentismo


Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com